Blizzard Decide Banir 74 Mil Contas de World of Warcarft

A Blizzard baniu 74 mil contas de utilizadores de World of Warcraft por batota, devido à utilização de ferramentas de automação de jogabilidade com propósitos lucrativos.

A Blizzard Entertainment, criadora do World of Warcraft, não tem por hábito abordar publicamente as suas decisões de banir jogadores, mas a sua recente suspensão de 74 mil contas mereceu uma explicação por parte da empresa.

Estes banimentos foram despoletados para jogadores detectados em violação dos termos de utilização. Na maior parte dos casos, as contas foram detectadas a utilizar ferramentas de automação de jogabilidade que permitiam colectar recursos ou matar inimigos muito mais eficientemente que um jogador legítimo. Por outras palavras, é desleal, injusto e quebra as regras.

A Blizzard sublinha que isto não é apenas frustrante para a empresa, como é também exasperante para jogadores legítimos. A empresa conta com os jogadores para denunciarem actividades suspeitas, mas a equipa de desenvolvimento utiliza também um sistema de detecção que está em constante evolução para identificar estes bots de forma automática. Ainda assim, a Blizzard descreve a situação como “uma circunstância desafiante” porque há um grande incentivo para criar cada vez mais ferramentas de automação compatíveis com o WoW: dinheiro.

A Blizzard explica: “Transações de dinheiro real atrai o interesse e esforço de terceiros para contornar os nossos sistemas de detecção. Por muito que isto seja uma prioridade para nós, é a única prioridade para organizações de automação focadas no lucro fácil. As expulsões que aplicamos são meramente um custo de fazermos negócio por eles.”

Parece improvável que a Blizzard consiga acabar de vez com a automação, mas a equipa prometeu implementar “mais melhorias em todas as partes do jogo que possam resolver os problemas de batota de maneira mais rápida e completa”. Enquanto isso, os jogadores de WoW são incentivados a continuar a denunciar qualquer atividade suspeita que testemunhem.

ARTIGOS RECENTES

Deixe o seu comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *